A Democratização da Soberania

o projeto da criptomoeda não controlada por uma autoridade central como radicalização do sistema econômico da autonomia

Autores

Palavras-chave:

Soberania, ordem jurídica, democracia, moeda, criptomoeda

Resumo

O projeto de criptomoedas tem como pressuposto básico a ideia de que o controle de emissão de moeda por uma autoridade central implica em limitação da liberdade individual nas relações de trocas econômicas por um terceiro que não participa diretamente destas mesmas relações e que somente se beneficia delas. Proposta como a solução para a intervenção estatal nas relações privadas, a criptomoeda apresenta, por meio de instrumentos informáticos, a solução e substituição dos bancos centrais nestas relações, suprimindo a necessidade de uma autoridade central certificadora da fidúcia da moeda utilizada, que, segundo os defensores das criptomoedas, seria o único papel desempenhado pelos bancos centrais nas relações econômicas. O discurso da criptomoeda se apresenta como uma radicalização do sistema econômico da autonomia, implicando em um retorno à noção de Estado como mero espectador do jogo do mercado. Contudo, ao colmatar o presente discurso com os conceitos de soberania e democracia, é possível vislumbrar que arguir a desestatização da emissão e controle da moeda não implica em fortalecimento da democracia, muito menos em “democratização da soberania”, pois, como foi analisado, a soberania só se constitui em um Estado quando este é constituído por meio de uma ordem jurídica coativa. Nas democracias constitucionais, o elemento da soberania já se manifesta na própria separação de poderes, onde, através do sistema de freios e contrapesos inerente ao próprio regime democrático constitucional, as forças sociais antagônicas ganham voz nos mais diversos valores positivados na constituição. Tais valores, ínsitos às mais diversas ideologias manifestadas no momento da promulgação da constituição e posteriormente atualizados pela própria dinâmica da sociedade, reconhecem as mais diversas versões de uma sociedade justa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Demetrius Barreto Teixeira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando, mestre e bacharel em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor de Direito da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). Advogado.

Referências

A. ARNIO, Aulis – the rational as reasonable a treatise on legal justification. Kluwer Academic Publishers Group. Dordrecht, Holland. 1987.

ANTONOPOULOS, Andreas M. Mastering Bitcoin. LLC <https://bitcoinbook.info>. Copyright 2016. Consultado em 19/02/2017

ALEXY, Robert. Teoria da Argumentação Jurídica: A teoria do discurso racional como teoria da fundamentação jurídica. 3ª edição. Ed. Forense. Rio de Janeiro. 2011.

____________. O conceito e validade do direito. Ed. WMF Martins Fontes. São Paulo. 2009.

____________. Constitucionalismo Discursivo. 3ª edição. Ed. Livraria do advogado. Porto Alegre. 2011.

ARISTÓTELES. Metafísica. Vol II. Trad. Marcelo Perine. Ed. Loyola. São Paulo, 2002.

AVELÃS NUNES, António José. Uma introdução à economia política. Ed. Quartier Latin. São Paulo.

BOBBIO, Noberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Ed. EDIPRO. São Paulo. 2011.

_______________. O positivismo Jurídico: Lições de Filosofia do Direito. Ed. Ícone. São Paulo. 2006.

BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 18ª edição. Editora Malheiros. São Paulo. 2011

CAMARGO, Ricardo Antônio Lucas. Curso Elementar de Direito econômico. Porto Alegre: Ed Nuria Fabris, 2014.

CANARIS, Claus-Wilhelm. Pensamento sistemático e conceito de sistema na ciência do direito. Tradução Menezes Cordeiro. 5ª Edição. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian.Lisboa. 2012.

COOTER, Robert. Direito e economia. 5ª edição. Ed. Bookman. Porto Alegre. 2010.

CROPSEY, Joseph e Miriam Strauss (organizadores). História de filosofia política. Tradução: Letícia Garcia Urriza, Dianna Luz Sánchez e Juan José Urtilla. Editora Fondo de Cultura Económica. México. 1993.

DWORKIN, Ronald. O império do direito. 2ª Edição. Ed. WMF Martins Fontes. São Paulo. 2007.

________________. Levando os direitos a sério. 3ª Edição. Ed. WMF Martins Fontes. São Paulo. 2010.

FERRAJOLI, Luigi. Pricípia iuris: teoría del derecho y de la democracia. Vol. 2. teoría de la democracia. Ed. Trota. Madrid. 2007.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e Método, Vol I. 10ª edição. Ed. Vozes. 2008.

GIERKE, Otton von. Giovanni Althusius e lo sviluppo storico delle teori politiche giusnaturalistiche. Trad. de Antonio Giolitti. Turim. Einaudi Editore

HAACK, Susan. Filosofia das lógicas. Tradução: Cezar Augusto Mortari. Ed. UNESP. 2002.

____________. Diga “não” ao negativismo lógico. Consultado no site: https://www.academia.edu/7383168/Diga_N%C3%A3o_ao_Negativismo_L%C3%B3gico_Uma_cr%C3%ADtica_%C3%A0_filosofia_negativista_l%C3%B3gica_da_ci%C3%AAncia_de_Karl_Popper_e_seu_crit%C3%A9rio_de_demarca%C3%A7%C3%A3o, em 29/09/2016.

HABERMAS, Jürgen. A ética da discussão e a questão da verdade. Tradução: Marcelo Brandão Cipolla. 2ª edição. Ed WMF Martins Fontes. São Paulo. 2007.

HART. H. L. A. O conceito do Direito. Ed. WMF Martins Fontes. São Paulo. 2009.

HELLER, Hermann. Teoria del estado. Trad LuisTobío. Editora Fondo de cultura economica. Pánuco. 1963

HUME, David. Tratado da Natureza Humana: Uma tentativa de introduzir o método experimental de raciocínio nos assuntos morais. Tradução Débora Danowski. 2ª Edição. Ed. UNESP. São Paulo. 2009.

JOHNSON, Harry M. Introdução sistemática ao estudo da sociologia. Tradução: Edmond Jorge. Editora Lidador. Rio de Janeiro. 1967.

KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. 4ª edição. Ed. Fundação Calouste Gulbekian. Lisboa, 1997.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 8ª Edição. Ed. WMF Martins Fontes. São Paulo. 2009.

KIRK, G. S. et Al. Os filósofos Pré-Socráticos. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa. 2010.

KNEALE e KNEALE, W e M. O desenvolvimento da lógica. 2ª edição. Ed. Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa. 1968.

LARENZ, Karl. Metodologia da ciência do direito. Tradução José de Sousa e Brito e José Antônio Veloso. 2ª Edição. Editora Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa. 1969.

LUHMANN, Niklas. Sociologia do direito. Vols. I e II. Ed. Edições Tempo Brasileiro. 1983.

MACCORMICK, Neil. Argumentação jurídica e teoria do direito. 2ª Edição. Ed. WMF Martins Fontes. São Paulo. 2009.

NAKAMOTO, Satoshi. Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System. www.bitcoin.org. Consultado em 19/02/2017

POSNER. Richard. A economia da justiça. Ed. WMF Martins Fontes. São Paulo. 2010.

_______________. Problemas de filosofia do direito. Ed. WMF Martins Fontes. São Paulo. 2007.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. Tradução: Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. 2ª Edição. Ed. Cultrix. São Paulo. 1974.

QUINE, Willard Van Orman. De um ponto de vista lógico. Ed. UNESP. São Paulo. 2011.

SOLON, Ari Marcelo. Teoria da soberania como problema da norma jurídica e da decisão. Editora Sergio Antônio Fabris Editor. Porto Alegre. 1997.

TARSKI, Alfred. A concepção semântica da verdade: textos clássicos de Tarski. Ed. Unesp. São Paulo. 2007.

WEBER, Max. História económica genereal. Tradução Manuel Sánchez Sarto. Ed. Fondo de cultura económica. México. 2001.

WITTGENSTEIN. Ludwig. Tractatus Logicus Philosophicus. 2ª edição. Ed. EDUSP. São Paulo. 1994.

______________________. O livro azul. Ed. Edições 70. São Paulo. 1992.

______________________. Investigações filosóficas. ed. Nova Cultural. São Paulo. 1999.

VIEHWEG, Theodor. Tópica e jurisprudência. 5ª edição. Ed. Sergio Antonio Fabris. Porto Alegre. 2008.

ZIPPELIUS, Reinhold. Teoria do Estado. Tradução Antonio Cabral de Moncada. Edição 2ª.Editora Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa calouste gulbenkian. Lisboa. 1988.

Downloads

Publicado

16.08.2021

Como Citar

TEIXEIRA, D. B. A Democratização da Soberania: o projeto da criptomoeda não controlada por uma autoridade central como radicalização do sistema econômico da autonomia. Revista Semestral de Direito Econômico, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. e0108, 2021. Disponível em: http://resede.com.br/index.php/revista/article/view/4. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos